Cacaqui


.
Numa noite dessas, assim que voltou da escolinha, a Michele começou a pedir e chorar:


— Cacaquiiiiíí! Buáááááááááá!

— Peraí, filhinha, não chora, papai não está entendendo o que você quer.

— Cacaquiiiiií!

— Amoooor, vem ver se você entende o que a Michele quer!

— Oi meu bem, o que é que você quer? Diz pra mamãe!

— Cacaquiiiiiiíí! Buááááááááá!

Tentamos apontar e oferecer um monte de coisas: guloseimas, suquinhos, brinquedos, colocamos DVDs de desenhos... Nada. Oferecemos até abacaxi e caqui, mas não era nada daquilo. E quanto mais a gente tentava, mais ela se desesperava.

— Cacaquiiiiií!

Naquele dia a Michele foi dormir aborrecida, pois não teve seu Cacaqui, seja lá o que isso significasse.

Ontem, na saída da escolinha, ela e uma amiguinha brincavam, de mãozinhas dadas. A Vanessa, agachada perto das duas, se maravilhava com aquela alegria tão inocente. A professora, que estava perto, comentou:

— A Michele e a Beatriz se adoram!

— É, filha, você gosta da Beatriz? — perguntou minha mulher.

— Cacaqui! — confirmou a Michele, dando um beijo e um abraço na amiguinha.

.
Cesar Cruz
Agosto 2009
.
.
.

7 comentários:

katine walmrath disse...

tocante sensibilidade.
e habilidade com o mundo das palavras pra construir o mundo das histórias.
sejam elas de verdade ou não.
não sei.
e convence.
adorei.
parabéns.
:-)

Majoli disse...

Ah que meiguice, e foi assim que o mistério foi desvendado, de forma simples e linda.
Meus filhos, tenho 3, já chegaram a me endoidecer quando eu não os entendia, pior que batia uma tristeza em mim, me sentia meio incapaz, sei lá, por não entender o que um deles queria.
Criança é a pureza apaixonante.
Beijos.

katine walmrath disse...

parabéns, majoli. :-)
criança é sempre mesmo encantamento e aprendeção o tempo todo. rico demais da conta.
as de verdade, as que a gente inventa e as que, preciosidade, a gente conserva dentro.
saudações desde porto alegre.
abração.

Anônimo disse...

isso lembra o meu (filho), quando menor (agora com 13 anos), certa vez íamos da heitor peixoto até a sé, de ônibus, e o tempo estava fechando, feio mesmo, virei para ele e disse, nossa filho do jeito que esta o tempo a "gente vai pra roça". tudo bem! chegou na sé, descemos do ônibus, ainda sem chuva, ele perguntou: pai, aqui que é a roça? é mto bom tudo isso né?

xara
ipiranga

Glaucia disse...

Amigo eu sei o que é isso!
Luana na mesma idade da Mi queria de qualquer maneira una " patchanga", chorava e tentava descrever em " Luanês" o que vinha a ser uma "patchanga".
Tentamos de tudo e todo dia ela pedia "patchanga", até que um dia o tio Gu a pegou e sentou no colo para tomar café com ele, e ela estendeu a mão até a fruteira e pegou uma maçã, se virou muito brava pra ele e disse " isso patchanga".
Olha que eu sempre dava maçã a ela, mas ela nunca traduziu o " pathanga" pra mim!
Beijos na Van e um cheiro na minha preferida!

Dalinha Catunda disse...

Amei,

Nada mais gratificante do que ler um texto singelo mostrando a inocência de uma criança.
Parabéns,
Dalinha

Pedro Luso de Carvalho disse...

Pois é isso mesmo Cesar, neste texto ficamos sabendo que és um pai muito coruja. E quem não é, quando os filhos preenchem grande parte de nossas vidas? Parabéns ao casal pela Michele.

Forte abraço,
Pedro.