Os meus sorrisos


A Vanessa tem um certo sorriso lindo, do qual só faz uso às vezes. As bochechas sobem de forma diferente, os dentinhos se revelam infantis, uma doçura. Acho que ela nem sabe quando o usa, e nem sabe que é diferente dos outros; é espontâneo e imperceptível para ela, fruto do mais puro contentamento. Para mim é como um presente. Raro.

Desço do carro. Ela assume o volante. A Vergueiro vazia e quieta. Não há alma viva na cidade, nesta segunda de Carnaval, às 8h30. O restaurante da Conceição, defronte, fechado. Onde almoçarei?, penso. Vim trabalhar, dar plantão. Já em pé na rua, dou um beijo na Vanessa pelo vidro do motorista. Faço a volta no carro para dar um beijo na Michele, presa na sua cadeirinha, no banco traseiro. Papai tabaiá!, ela diz para mim, e me brinda com seu sorrisinho sensacionalmente fantástico de Michele-do-papai. Ambas são lindas e têm sorrisos esplêndidos. Tal mãe, tal filha.

Vendo o carro se afastar, penso: tudo o que eu tenho na vida vai ali, naquele carro.



Cesar Cruz
Fevereiro 2010





4 comentários:

Gabriel Fernandes disse...

Esse é meu amigo Cesar. Nada como uma família para mudar a gente, para nos ensinar outras formas de amar. Paixão é diferente de amor, é assim mesmo: dura pouco. Depois vem o amor, sem o mesmo fogo, sem os mesmos arroubos. Amor é diferente de paixão. A paixão é rasa e fátua. O amor é profundo, de largo espectro, abrangente e muito mais forte. A paixão é tensa, o amor relaxante.
A paixão abrasa, consome, desgasta, é muito gostosa, instigante, geradora de adrenalina, egoísta. O amor é um fogo brando que cozinha lentamente, mas produz os melhores pratos, os sabores mais refinados. Revela-se em pequenos gestos, em olhares cúmplicies, em preocupações mútuas, em sorrisos ternos, sutis, dissimulados, imperceptíveis. Parabéns!. Você acaba de descobrir o que aprendi há décadas:fica muito mais fácil encarar a vida com um sorriso num rosto amigo.
Grande abraço,
Gabriel

Cris França disse...

muito bonito e sensível. bjs

Crônicas do Submundo disse...

Saudações gaudérias ao camarada paulista!

Olhando tua imagem nessas fotos, é dificil perceber o homem sensível que habita essa vitrine carnal! Suas palavras novamente tocaram meu intimo, ainda mais agora, pois encontro-me ansioso na espera de meu filho, Caetano!

Escrevi mais um pedaço do conto Inimigo Íntimo, esta postado no blog, sugiro a leitura de O grande guerreiro, que tem algo a ver a vinda do meu filhote! (tbm está no blog)

Grande abraço!

Tais Luso disse...

'Vendo o carro se afastar, penso: tudo o que eu tenho na vida vai ali, naquele carro'.

Ô, Cesar, essa foi pra começar o ano?
Como é bonito a gente ver, depois de tantas atrocidades nesta vida, pessoas com sentimentos tão bonitos, tão 'família' e deixando transparecer que é isso que importa, e não correr doidamente atrás de coisas materiais, de bobagens que logo se vão e que não frutificam. As duas têm sorrisos lindos!

bjs
tais luso